Após 21 anos, Leônico volta a ter time profissional de futebol

- 20/02/2014

Associação Desportiva Leônico, campeã baiana de 1966, disputará a segunda divisão do estadual a partir de março

Texto:  Guilherme Silva e Julia Belas
Fotos: Guilherme Silva

Quase 47 anos após o grande momento da sua história, a Associação Desportiva Leônico volta a ter uma equipe profissional no futebol. O título do Campeonato Baiano de 1966, que teve a final disputada apenas em abril de 1967, não foi suficiente para ajudar o clube a manter suas atividades nas últimas décadas. Mas em março a equipe estará de volta, graças a muitos improvisos e vontade de colocar novamente em evidência o time que já foi conhecido como ‘Moleque Travesso’.

Em fase de preparação para disputar a segunda divisão do Campeonato Baiano, o Leônico usa quatro campos de futebol para fazer seus treinamentos ao longo da semana: o clube Sesc, no bairro de Piatã, o estádio do Galícia, em Brotas, além de campos nas cidades de Terra Nova e Simões Filho.

Para jogadores que recebem no máximo R$3 mil, o conforto de ir aos treinos não seria o mesmo de jogadores dos maiores times do país. Ao invés de carrões de luxo, uma van transporta os atletas. E quando nem este veículo está disponível, os homens mais poderosos dentro do clube tem que se virar: “Tem vezes que levamos eles pro treino no carro dos dirigentes. Costumamos marcar na frente do Shopping Iguatemi e damos carona de lá”, relata o presidente do Leônico, Jairo Veiga, 50 anos.

Jairo Veiga junto aos prêmios conquistados pelo Leônico

Passado e presente ainda se misturam dentro do clube que surgiu em 1940, formado por membros da empresa Carl Leoni, que exportava fumo e cacau. Jairo Veiga é neto do fundador do Leônico, Oswaldo de Castro Veiga. Ele tinha apenas três anos quando o clube foi campeão estadual pela primeira vez, em 1966, mas o adotou como uma tradição de família e foi eleito presidente no final de 2013.

Os primeiros investimentos para a profissionalização do futebol do Leônico foram feitos por um grupo de oito dirigentes. Mais recentemente eles ganharam o apoio de empresários de atletas, mas a necessidade de novas fontes de renda segue firme e se espera agora que uma nova ajuda venha através das rede sociais. Fugindo do tradicional, o clube oferece espaços nas mangas, na parte frontal e nas costas de seu uniforme para anunciantes por meio de sua página no Facebook. Quem quiser colocar dinheiro no time, vai precisar desembolsar pelo menos mil reais por mês.

Renegados – Para Jairo Veiga, o acesso para a primeira divisão estadual é possível, mesmo para um time que vai disputar sua primeira competição entre os profissionais desde 1993: “É o nosso grande objetivo”, confirmou. As esperanças do presidente estão em um elenco formado por jogadores trazidos por empresários, que ajudam os dirigentes a bancar as despesas do time em troca da exposição de seus atletas, e os demais provenientes de outros clubes nos quais não foram aproveitados.

O projeto ‘Renegados’ é administrado por um dos atuais dirigentes do Leônico e reúne jogadores jovens que já passaram por clubes baianos, foram dispensados, mas ainda tentar encontrar seu lugar no mercado. “São jogadores que passaram por Bahia, Vitória, até passaram pelo profissional e não tiveram chances”, explica Jairo Veiga, que tem cerca de 10 jogadores do Renegados em seu elenco profissional.

Calendário – Assim como na maior parte do país, o calendário de competições é cruel com os clubes pequenos, que disputam poucos jogos por ano, e por isso tem dificuldades em manter seus elencos. Sem atividades por muitos meses, os clubes dispensam seus atletas para não precisar seguir pagando seus salários.

Ao longo de 2014, o Leônico tem garantida apenas a disputa da segunda divisão do Campeonato Baiano. Caso ele fique entre os dois primeiros, assegurando uma vaga na elite do estado no ano que vem, o clube também ganha o direito de disputar a Copa Governador do Estado, que acontece ainda no segundo semestre desse ano.

Mesmo jogando as duas competições, o calendário do Leônico será preenchido por jogos em menos de cinco meses. No período ‘ocioso’, a diretoria planeja acertar partidas amistosas pelo interior. Caso o time não fique entre os dois melhores da segunda divisão, a situação fica ainda mais complicada. “Se não nos classificarmos para a Copa Governador do Estado, vamos ter que emprestar nossos jogadores. Os empresários também devem levar os atletas deles para outros times e esperamos ter eles de volta para a segunda divisão do ano que vem”, relata Jairo Veiga.

Em março, o Leônico voltará em campo com um time profissional, sem certezas sobre como será seu futuro após a participação no Campeonato Baiano da segunda divisão. Para o clube, a competição significa tentar honrar a história do clube que registra o título estadual de 66 como grande glória. Para os renegados, cada partida representa uma luta pessoal para seguir sobrevivendo como jogador de futebol.

Leia Mais

Outras equipes enfrentam problemas parecidos com os do Leônico

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023