Tags:, , , ,

Festa de Reis fortalece fé católica e inspira tradição em Salvador

- 04/02/2013

Na capital, a festa é realizada no bairro da Lapinha, no período de 03 a 06 de janeiro, marcando o final do ciclo de festejos natalinos.

Mayara Azevêdo e Tunísia Cores

Seis de janeiro de 2013. A igreja da Lapinha quase lotada, aproximadamente 150 pessoas à espera do padre para início da missa e uma dúzia de barracas ao redor do largo, anunciavam o dia da Festa de Reis.

Não há nas sagradas escrituras, passagens que comprovem que os três magos, Gaspar, Melquior e Baltasar, que foram guiados por uma estrela para visitar o menino Jesus no dia do seu nascimento, e o presentearam com ouro, mirra e incenso, fossem reis. Devido a este feito, os sábios ficaram conhecidos como os três reis magos, e inspiraram uma tradição que encerra o período de festas natalinas em todo o mundo: a Folia dos Reis.

Tradicionalmente realizada em Portugal e trazida para o Brasil no final do século XIX, a celebração ganhou espaço em estados como: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Na capital baiana, a festa é concentrada no bairro da Lapinha e acontece entre os dias 03, quando começa a celebração eucarística da Epifania do Senhor, e 06 de janeiro, oficialmente considerado dia dos reis.

Fiéis se reúnem na Igreja da Lapinha para missa de celebração - Foto: Patrick Silva

Reis magos, acrobatas e dançarinos vestidos de palhaço, tomam conta das alas do Terno da Anunciação, o mais novo entre os existentes, assim nomeado por anunciar os outros ternos e fazer homenagens à chegada do Senhor. A ala do coro é formada por aproximadamente seis cantores, que tem no mestre, ou embaixador, a figura central. Outra figura importante é o bandeireiro, com a fantasia mais chamativa, cuja principal função é carregar o estandarte.

Coordenadora do Terno de Anunciação há quatro anos, Naíde de Carvalho, afirma que quando a festa é encerrada, já é dado início à preparação da comemoração no próximo ano. “São muitas coisas para arrumar, fora os ensaios com os músicos”, explica. Cerca de 60 pessoas participam do grupo e iniciam os ensaios de músicas e coreografias entre maio ou junho do ano anterior. Para a aposentada Glória de Melo (69), que acompanha a celebração desde pequena, há um grande significado não apenas na comemoração, mas em manter a tradição: “Primeiro celebramos na igreja e depois saímos para comer e dançar. Avisamos que o senhor chegou e por isso acho importante mantermos a tradição”.

Ansiedade e animação são demonstradas pelos participantes ainda durante a arrumação, que acontece na sede do terno, em Pernambués. Coma chegada dos pais e filhos, logo os personagens do terno vão ganhando vida e as cores enfeitam todo o ambiente. Os participantes são levados para a festa por um ônibus municipal.

José, Maria e o menino Jesus representados no cortejo - Foto: Patrick Silva

Entre os participantes do Terno Rosa Menina, o mais tradicional dos soteropolitanos, os ensaios são realizados a partir de setembro do ano anterior. Desde a sua fundação, há 67 anos, o terno desfila na Lapinha, mesmo após a morte do seu fundador, Silvano Francisco do Nascimento, e com poucos investimentos recebidos pelos governos municipais e estaduais. Dona Luíza Nascimento, viúva de Silvano, lembra do desejo do marido: “Quando ele estava passando mal, reuniu toda a família e pediu que, se ele morresse, não acabassem com a tradição”.

“Cada terno tem seu nome e traz um representante que destaca o nome do terno. Aqui, vem na frente uma menina de sete anos, representando a Rosa Menina e a porta estandarte, com a bandeira do terno”, conta dona Luíza. Em seguida, os três reis, a estrela guia, o jardineiro (que rega a rosa), as camponesas, as ciganas, os porta-cajados, os figurantes e muitos outros personagens dão vida à tradicional festa do Terno de Reis.

Leia Mais

Insuficiência de apoio do governo ameaça sobrevivência dos Ternos de Reis

Tradição e fé reúnem centenas de pessoas na Festa de Reis espanhola

Por trás do estandarte: um olhar apurado sobre os ternos de reis da Bahia

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023