Tags:, , , ,

Foi mainha que disse

- 04/10/2016

Hábitos e ações cotidianas mostram o poder do pensamento mágico no cotidiano 

Priscila Dórea e Raí Guerra | Fotos: Cícero Cotrim/LabFoto| Arte: Priscila Dórea

Muitas pessoas acreditam no poder de práticas ligadas a uma espécie de magia. Geralmente passadas a de geração em geração nas famílias acabam repetidas mesmo sem um perfeito entendimento do que significam. Ritos mais elaborados, hábitos estranhos (ou não), as simpatias resistem e as mães, geralmente, tem um papel de protagonismo em ensiná-las e preservá-las. Tanto que é comum ouvir alguém justificar após não deixar o chinelo com a sola voltada para cima: “Foi mainha que disse”.

Márcia Silva, 54 anos, diz acreditar que ao ficar com a mão na cabeça uma pessoa pode estar agourando a própria mãe. “Sempre acreditei. Falo isso até para desconhecidos na rua”, relata Márcia, numa mesa de restaurante enquanto almoçava com a família.

Beijar o pão

A aposentada Célia Santos, 76, sempre teve o costume de beijar um pão antes de jogá-lo fora. Ao passar essa crença para os filhos acreditava que era uma forma de não estar renegando o corpo de Cristo, representado dessa forma nos ritos católicos. Apesar de não seguir nenhuma religião, Célia é simpatizante da doutrina espírita kardecista e do catolicismo. Além disso, como tantas outras pessoas, também considera desagradável jogar comida fora e isso reforça seu hábito “mágico”.

Arruda é bom pra ti, visse? 

Ainda há aqueles hábitos que mudam dependendo da região que você tenha nascido. A arruda, planta que apresenta os mais variados usos, também afasta o mal, como afirma Perpétua Portela, 56, atuante no setor de  Recursos Humanos. “Se você quiser afastar mau-olhado, é bom colocar um ramo de arruda dentro de casa. É tiro-e-queda”, afirmou sentada na sala de casa. Logo em seguida, seu genro, Ezequiel Spanholi,  34 anos, urologista nascido no município de Cacique Doble, interior do Rio Grande do Sul conta: “Lá no Sul não tem muito dessas coisas, mas queimamos arruda para afastar as tempestades”, explica.

Faca na Cabeça

Afonso Ferreira, 45, engenheiro elétrico, revela que sempre achou engraçado uma das crenças de sua mãe.“Já vi muitas vezes minha mãe colocar duas facas em forma de cruz sobre uma pancada recebida na cabeça e gritar três vezes: cu cu ru cu, para não deixar que a pessoa ficasse com um enorme galo”, conta, rindo.

No entanto, há aquelas crenças que, mesmo sendo passadas de pai para filho durante anos, a própria pessoa que a relata não leva muita fé, como é o caso de Pedro Evandro. No áudio a seguir ele conta sua história com mais detalhes:

[slideshow_deploy id=’30113′]

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023