Linhas sem láurea: mulheres ainda são minoria em prêmios literários

- 25/01/2017

Lara Pinheiro e Rayllanna Lima

Desde a primeira edição do prêmio Nobel, em 1901, somente 14 mulheres venceram na categoria ‘Literatura’ — uma baixa representatividade feminina de 12%. No Brasil, em 57 edições do prêmio Jabuti — o maior do país — somente 22 mulheres foram premiadas em  “Contos e Crônicas” e “Romances”.

De acordo com relatórios da organização Vida, a desigualdade, forma um ciclo vicioso: mulheres são menos lidas, menos resenhadas e, por consequência, também escrevem menos resenhas críticas. Para lidar com o preconceito estabelecido no mercado, muitas voltam-se para o uso do pseudônimo — geralmente masculino — ou o uso de iniciais.

Um dos casos mais famosos é o de J.K. Rowling (autora da aclamada série Harry Potter). Antes do sucesso, a britânica recorreu aos dois expedientes para tentar projeção; exemplo seguido por Louisa May Alcott e as irmãs Bronte. Todas lançaram mão de nomes masculinos como último recurso por sobrevivência no mundo machista literário.

Autora da série Harry Potter, J.K. Rowling recorreu às inicias de seu nome para driblar o machismo no mercado literário. Foto: Divulgação

Entre anônimos e pseudônimos, a mulher vai, ainda que lentamente, reivindicando seu lugar de direito na literatura. A escritora gaúcha Luisa Geisler foi, aos 19 anos, a mais jovem a receber o Prêmio Sesc de Literatura, em 2011. Ao ouvir, como suposto elogio, que “escrevia como um homem”, respondeu à exaltação alterando o gênero tributário. “Escrevo como mulher, sim”.

Para mudar tal situação, ela sugere que as pessoas passem a ler mais mulheres. Parece simples e óbvio.

Tanto quanto era em 1929.

#readwomen #leiamulheres

Se ligue nas sugestões de livros escritos por mulheres e para mulheres:
Amada (de Toni Morrison); Americanah (de Chimamanda Ngozi Adichie); A Mulher Desiludida e O Segundo Sexo (de Simone de Beauvoir); O Conto da Aia (de Margaret Atwood); Mulheres que Correm com os Lobos (de Clarissa P. Estés); Jane Eyre (de Charlotte Bronte); Rumo ao Farol (de Virginia Woolf); Sobre a Beleza (de Zadie Smith); As Horas Nuas (de Lygia F. Telles); Perdas e Ganhos (de Lya Luft); Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres (de Clarice Lispector); Minha Vida de Menina (de Helen Morley).

APROFUNDANDO

Para saber mais sobre a voz da mulher na literatura, o ID 126 sugere esta entrevista que a professora Rita Schimidt, integrante do Grupo de Trabalho Mulher e Literatura da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL), concedeu ao Veredas.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023