Tags:, , ,

Literatura além do papel

- 14/08/2013

Recantos da palavra em prosa e poesia, saraus formam pequeno circuito no cenário cultural de Salvador

Joana Oliveira e Thuanne Silva

Congestionamentos, rotinas de trabalho, dispositivos eletrônicos conectados 24h.  As horas são gastas com compromissos. Falta tempo, a vida é corrida na cidade grande. Em meio às atribulações, um momento de pausa, um espaço de respiro: os barulhos de celulares são substituídos por conversas ou cochichos em rodas de amigos, os ruídos urbanos dão lugar à poesia, prosa e música. A palavra, em todas as suas formas, torna-se a protagonista da noite.

O sarau literário é um evento no qual a poesia sai do papel e toma forma através de recitais. Também é onde o público entra em contato com escritores que desejam um feedback instantâneo ou até mesmo um lugar em que amigos se encontram para apreciar literatura e jogar conversa fora. Ilustrado em livros de História e descrito nos romances clássicos da literatura brasileira, o evento cultural chegou ao Brasil com a corte portuguesa, no século XIX, e logo se tornou um dos principais eventos sociais da época.

Apesar de, em seu surgimento, estarem associados à elite, os saraus tornaram-se populares. Hoje, eles ainda mantêm o papel de incentivar encontros e socializações e marcam presença no calendário cultural soteropolitano. Com o propósito de reunir amigos e desconhecidos para uma atividade de fruição e especulação artística, o jornalista e poeta James Martins criou, em março do ano passado, o Pós-Lida, recital de poesia e alguma prosa, que acontece quinzenalmente no sebo Porto dos Livros, na Barra. Em meio às prateleiras com preciosidades da literatura e estantes com vinis raros, em cada edição, o anfitrião James recebe um convidado presencialmente e outro virtual (via Skype, com projeção em telão).

“O uso da internet é um diferencial. Mas o recital também é especial por explorar os mais diversos usos da palavra: da poesia ao ensaio, passando pela prosa literária e até mesmo o depoimento puro e simples. Para não mencionar outras ocorrências, como a coluna ‘radiouvideo-sp’, que explora as virtualidades entre som e imagem”, conta James.

Pós-Lida traz como inovação o uso da Internet

O recital Pós-Lida explora os diversos usos da palavra

Também com o objetivo de movimentar a cena literária soteropolitana, a escritora e jornalista Mariana Paiva reuniu os amigos Kátia Borges e Nílson Galvão para criar o Sarau Prosa e Poesia, evento que faz parte da programação mensal do Rio Vermelho, e que comemorou um ano em julho, com edição especial no Palacete das Artes. Para Mariana, a receptividade do público foi uma surpresa. “Nos demos conta de que fizemos um evento literário em uma cidade como Salvador, em que sempre há a queixa de que o público não compra esse tipo de ideia, e vimos que, como nós,  as pessoas também sentiam falta disso”.

Sarau, lugar de afeto – E a possibilidade de declamar, ouvir e sobretudo apreciar literatura atrai os mais diferentes participantes a esses eventos, desde o típico público “alternativo” da cidade a escritores já consagrados e mesmo poetas até então anônimos, como o estudante de Psicologia Antônio Alberto Almeida.

Frequentador de saraus, ele teve  a oportunidade de dar voz nos eventos a alguns dos textos que mantinha no blog Um Anônimo Qualquer. “Eu recitei e foi uma experiência esplêndida estar em um ambiente com pessoas que se interessam por poesia e poder ter voz para recitar algo da minha autoria. É importante que existam esses espaços na cidade”, afirma.

A interação do público com a poesia nesses eventos se dá, principalmente, através dos microfones abertos, que permitem que qualquer participante,  que não sejam os anfitriões e convidados especiais, também recite ou declame textos próprios ou de outros autores. “Um sarau tem que ser um espaço aberto e quem chegar tem que sempre ser bem-vindo”, opina Mariana Paiva.

Microfones abertos são forma de interação nos saraus

“Sempre fico meio nervoso antes de recitar, mas sinto que algo está saindo de mim e sendo passado para os outros. É uma experiência muito interessante”, relata Patrício Freitas, estudante de Ciências Sociais, autor de poemas e outros textos que guarda no O tal Ninguém.

Para os organizadores, além de estreitar laços entre os amantes da prosa e da poesia, parte do encantamento dos saraus está também na possibilidade de construção de uma ponte entre a literatura e aqueles que não têm tanta intimidade com ela. “Tem gente que não se aproxima da literatura apenas pela escrita. Há quem se aproxime a partir de eventos como esse. Atraímos essas pessoas pela música, depois elas chegam aos livros”, explica Nelson Maca, professor de Literatura e fundador do Sarau Bem Black, um dos pioneiros no circuito literário de Salvador.

Mariana Paiva concorda: “Quando a poesia vira palavra falada, tem muito mais poder. E um sarau é uma oportunidade de levar poesia para as pessoas, em vez de esperar que elas cheguem até ela. Isso faz com que a gente volte a ter aquilo que amava tanto na infância, que é alguém para ler para nós. Nesse sentido, um sarau é um lugar de afeto”.

Leia mais 

Poesia divergente

“Podemos chegar onde as escolas não chegam, atraindo pessoas com uma literatura visual e musical”

Poesia de carona

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023