Mães criticam ação para crianças autistas no Salvador Shopping: ‘Horário não combina’

Maria Raquel Brito, Samantha Freire - 04/10/2023

Voltada para crianças autistas, edição mais recente da Hora Silenciosa aconteceu no último sábado de setembro, das 9h às 10h; familiares demandam medidas permanentes na cidade

Desde abril deste ano, o Salvador Shopping promove, no último sábado de cada mês, a Hora Silenciosa, conjunto de ações que tem o objetivo de criar condições mais acolhedoras para pessoas autistas. No entanto, a última edição da iniciativa foi recebida com críticas nas redes sociais: em uma publicação feita pelo Jornal Correio no Instagram no último dia 26 em divulgação da edição, mães de crianças autistas questionaram a viabilidade do evento, que fica em vigor apenas na primeira hora de funcionamento do shopping.

Um dos comentários apontou conveniência na ação. “Parece mais campanha para gringo ver. Nesse horário o shopping já é mais sossegado por natureza”, afirmou o perfil. 

Outra usuária deixou uma crítica nos comentários após a ação. “Horrível, que tipo de inclusão é essa? Cheguei lá e não tinha mais nada. Vejo outros tipos de parques e atividades durarem dias, por que para crianças atípicas e com dificuldade de compreender que aquele momento mássico só vai durar 1 hora?”, disse.

A Hora Silenciosa inclui ações como pausa no tráfego de carrinhos de coleta de lixo e de segways; utilização do rádio comunicação apenas com fones de ouvido; desligamento de TVs, displays, totens e mega banners digitais, bem como rádio mall e letreiros das lojas; redução da iluminação do shopping; retirada do áudio das cancelas de estacionamento; suspensão de secadores de mãos e de dispensers automáticos de cheiros nos banheiros; fraldários, banheiros infantis e de adultos com distribuição de protetores auriculares; distribuição de abafadores também nos Espaços Família, nos pisos L1 e L2, e Centro de Atendimento ao Cliente (CAC), no piso L2.

Além da programação padrão, a hora foi destinada ainda a um evento voltado para o público infantil entre os dois e 13 anos, a Arena Ghostforce e a sessão “Ingresso Azul” no Cinemark com a animação “A Fada do Dente”, além de benefícios ofertados pelas operações Villa Encantada e Planeta Imaginário para clientes neurodivergentes.

Marcella Bandeira, publicitária de 34 anos, é mãe de Guilherme, um menino de três anos que está no espectro autista. Para ela, que foi na maioria das edições da Hora Silenciosa, a iniciativa é necessária para seu filho, mas o tempo é curto. “Só quem vive a maternidade atípica sabe da importância. Eles sempre disponibilizam alguma ação para as crianças se divertirem com qualidade e adaptam o ambiente para receber pessoas com transtorno do espectro autista. Tenho vontade que se repita por mais dias no mês e o tempo da ação também aumente”, diz.  

Procurado, o Salvador Shopping afirmou, através de Ana Paula Fadul, médica e consultora de Infância do estabelecimento, que mesmo com a limitação de data e horário nas atrações, está cumprindo sua função inclusiva ao proporcionar momentos gratuitos e de diversão para as famílias. “Durante a visita ao shopping, a criança pode ter uma sobrecarga sensorial, o que leva essas pessoas a um nível de esforço e estresse que podem desencadear uma verdadeira crise. Muitas vezes, por medo disso, os pais evitam levar seus filhos ao shopping, o que é uma pena, já que é um ambiente de interação social importante”, declara.

Para Mariene Maciel, presidente da vertente baiana da Associação Brasileira para Ação por Direitos dos Autistas (Abraça), ter medidas voltadas para crianças e adolescentes autistas em um estabelecimento com grande fluxo de visitantes, mesmo que com um tempo limitado, é um início. “Os Shoppings, para muitas pessoas autistas e com sensibilidade auditiva e visual, são locais muito estressantes. Ter um horário com menos estímulos já é um grande avanço para irmos aos poucos trabalhando cada vez mais com espaços mais acessíveis para todos o tempo todo”, diz a especialista.

Entretanto, Maciel defende que a efetividade da integração só vira com o auxílio das autoridades. “Se o poder público cumprir e a sociedade encampar a Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência, que foi internalizada no Brasil como Emenda Constitucional, e a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), todas as pessoas com deficiências e neurodiversas estarão inclusas e respeitadas em nossas comunidades.

Medidas permanentes de inclusão na Câmara de Vereadores

Em agosto de 2023, foi publicado no Diário Oficial do Legislativo o Projeto de Lei 170/2023, do vereador Átila do Congo (Patriota), que tornaria facultativo a espaços como shopping centers, hipermercados, ginásios, entre outros estabelecimentos similares, a criação de “Salas de Afeto”, levando em consideração as necessidades específicas das pessoas autistas. 

As Salas de Afeto, ou Calm Zones, já presentes nos estados de São Paulo e Mato Grosso, têm uma vantagem em comparação à Hora Silenciosa: são projetadas com cores, equipamentos e iluminação adaptados de forma específica ao Transtorno de Processamento Sensorial (TPS), presente em muitas pessoas autistas.

Sala de Afeto em São José dos Campos.  Vereador Átila do Congo propõe que a medida seja aplicada em Salvador
Exemplo de Sala de Afeto presente em shopping de São José dos Campos, em São Paulo (Foto: Solução Textual Assessoria)

Segundo Átila do Congo, a ideia surgiu através das dificuldades expostas por familiares residentes nas comunidades visitadas pelo vereador. “Houve diversas conversas e ideias, inclusive sobre essa falta de sensibilidade quanto às pessoas autistas. Por isso, surge a proposta que sugere um espaço específico para receber crianças, adolescentes e adultos com TEA, bem como seus acompanhantes, durante episódios de ansiedade e agitação”, conta. 

Jéssica Mendes, designer de interiores e 39 anos e mãe de Joaquim, de cinco anos, considera que a medida possibilitaria visitar ambientes como o shopping mesmo em horários de maior movimento, como a hora de almoço ou aos domingos. “Ter um espaço que acolha essas famílias é muito importante para nos ajudar a manter uma rotina dentro do dito como normal”, diz.

Mendes considera que o espaço de acolhimento diante de uma crise sensorial pode ser crucial para que pessoas autistas e seus familiares não fiquem reclusas, uma vez que a crise pode se manifestar através de comportamentos considerados ‘inapropriados’ por outras pessoas. “Conheço algumas famílias que não saem com os filhos por vergonha diante a uma crise, porque infelizmente as pessoas ainda não tem empatia em acolher ao invés de julgar, e eles acabam ficando reclusos, sem sair de casa”.

É o caso de Ana Paula Brito, de 47 anos, mãe de Ygor, criança autista não-verbal de 12 anos. “Eu saio muito pouco com meu filho. Gostaria de sair muito mais, mas acho que Salvador deixa muito a desejar quando o assunto é inclusão, de escolas a lugares públicos, e não tem lugares específicos para o lazer dos autistas. Isso dificulta a saída, porque nós recebemos olhares preconceituosos, [vemos] pessoas que chegam a confundir um autista em crise com uma criança mal educada”, conta.

O projeto de lei está atualmente na Comissão de Constituição e Justiça e aguarda voto do relator Paulo Magalhães Júnior (DEM) para que possa seguir seu trâmite. Questionado quanto às formas de garantir que a medida seria implantada, diante do teor facultativo, o vereador afirmou: “Acima de qualquer coisa, a fiscalização desta casa deve ser o pilar para o bom funcionamento desta ação. Contamos também com os empresários para a inclusão desta medida de forma garantidora dos direitos da pessoa com TEA”. O projeto pode ser acompanhado clicando aqui. 

Maciel, presidente da Abraça – BA, afirma que a associação não tinha conhecimento do PL, mas que considera uma medida interessante. “Acho que promover acessibilidade é obrigação cotidiana. Concordo com as mães: todos os ambientes, por lei, devem ser acessíveis para todas as pessoas. Como grande parte dos autistas tem TPS, é necessário que a sociedade se adapte para que esses sujeitos tenham uma boa qualidade de vida. Lutamos para que todos os espaços sejam acolhedores para todas as pessoas”, comenta. Para a presidente, o objetivo de ações inclusivas deve ser a eliminação de barreiras físicas, arquitetônicas e atitudinais.

Legislação e População  O direito de pessoas com deficiência ao lazer, esporte, cultura e turismo em igualdade às demais pessoas é garantido pela Lei 13.146, a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.  O Censo de 2022 foi o primeiro a incluir uma pergunta para dimensionar quantos porcentos da população brasileira com deficiência são compostos por pessoas autistas, mas os resultados ainda não foram disponibilizados até o momento de publicação dessa matéria. Os números estipulados até então são baseados em estudos periódicos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência pública de saúde dos Estados Unidos, que apontam que existem entre 1 milhão e 2 milhões de pessoas dentro do espectro no Brasil.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023