Tags:, , , ,

País em insegurança alimentar

João Victor Tourinho e Nicolle Pereira - 06/07/2022

Paula dos Santos, 24, é maquiadora e está desempregada há mais de um ano. Ela vive a insegurança alimentar na pele. Mãe de três crianças pequenas, ela e o esposo, também desempregado, precisam ir todos os dias às ruas de Salvador pedir alimentos. A família recebe Auxílio Brasil e Auxílio Moradia, mas o valor não permite comprar os alimentos básicos para o mês inteiro, já que boa parte dos gastos é destinada ao aluguel e ao gás de cozinha. No Dia dos Namorados, 12 de junho, o casal e os três filhos passaram o dia sem comer, pois não conseguiram nenhuma doação de alimento.

“O que mais dói é minha filha acordar de manhã e não ter nada pra comer. Isso machuca. Às vezes, a refeição principal é café com açúcar e farinha dentro”.

Paula dos Santos, desempregada

De acordo a professora da Escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia (Enufba), Sandra Maria Chaves, a prática de misturar farinha com café para formar bolas de alimento é muito comum no sertão do estado. “Migrei para a Bahia em 1992 e comecei a fazer pesquisas por volta de 1995 e 1996. Nos municípios pobres do estado, a situação era terrível. As pessoas iam à roça fazer as bolas de farinha e a criança ficava com a mistura o tempo todo na boca, resultando em uma criança inchada”, relembra. “Esse tipo de alimentação impacta diretamente no crescimento físico, intelectual e no desenvolvimento cognitivo das crianças”, explica.

Chaves, que é vice-coordenadora da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN), também chama a atenção para o fato de que as pessoas estão passando fome e comem mal. “Se uma pessoa que não tem o básico está com fome, não vai procurar comer salada de alface com agrião e ovo. Vai buscar algo que custe barato”, pondera.

Foto: Thais Alvarenga/Ação da Cidadania/Reprodução.

O caminho da fome no Brasil

Paula não é a única que enfrenta essa realidade cara a cara. O número de brasileiros mal alimentados está crescendo no país. De acordo com a segunda edição do Inquérito Nacional Sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil (II VIGISAN), conduzido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN) em 2022, somente este ano cerca de 33,1 milhões de pessoas não têm o que comer e 125,2 milhões de brasileiros vivem com algum grau de insegurança alimentar.

Durante a pandemia, a fome e a falta de alimentação adequada estiveram ainda mais presentes no cotidiano dos brasileiros, com mais da metade (58,7%) da população vivendo com insegurança alimentar em algum grau. Os dados foram coletados entre novembro de 2021 e abril de 2022, a partir da realização de entrevistas em 12.745 domicílios, em áreas urbanas e rurais de 577 municípios, distribuídos nos 26 estados e Distrito Federal. A Segurança Alimentar e a Insegurança Alimentar foram medidas pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia).

Vigisan-id126
Gráfico sobre os níveis de Insegurança Alimentar no país. Foto: II Vigisan/Reprodução.

Ainda de acordo com a pesquisa, 4 em cada 10 famílias das regiões Norte e Nordeste relataram redução parcial ou severa no consumo de alimentos nos três meses que antecederam as entrevistas. As formas mais severas de insegurança alimentar (moderada ou grave) atingem mais a população nas regiões Norte (45,2%) e Nordeste (38,4%).

Na Bahia, a situação não é diferente. De acordo com os dados mais recentes da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2017-2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos 4,897 milhões de domicílios no estado, 2,221 milhões (45,3%) tinham algum tipo de insegurança alimentar. Em Salvador, conforme dados da pesquisa QUALISalvador, entre 2018 e 2020, 59,1% das famílias estavam em condição de insegurança alimentar. A condição de insegurança é vivenciada por 40,9% da população soteropolitana.

Qualisalvador-id126
Insegurança alimentar em Salvador. Foto: QUALISalvador/Reprodução.

“A fome não é nordestina. A fome é brasileira. O Sul e o Sudeste chegaram até 85% em segurança alimentar, com apenas 15% em insegurança alimentar e quase zero na sua forma grave. Hoje, o Sul tem 51% de segurança alimentar e o Sudeste 45%”, informa Sandra Maria Chaves. Segundo a professora da Enufba e vice-coordenadora da Rede PENSSAN, o Norte e o Nordeste têm uma herança de desigualdade acumulada. “A partir de 2016 e 2019, estas regiões foram as mais desprestigiadas politicamente, com a paralisia das polícias públicas”, analisa.

CidadaniaAcao-id126
Foto: Sara Gehren/Ação da Cidadania/Reprodução.

Fenômeno complexo e estrutural

Para o economista Gustavo Casseb, presidente do Conselho Regional de Economia da Bahia (Corecon-BA), a insegurança alimentar é um fenômeno complexo e estrutural, essencialmente vinculado à falta de renda e desigualdades sociais. É um problema muito mais de exclusão social do que inflação, ou seja, está mais associada à ausência de renda do que a um processo inflacionário. O aumento de preços também tem um papel fundamental nesta falta de acesso, porém, não é a causa principal da insegurança alimentar no país.

“É por considerar o problema muito mais no campo sociológico, social, das desigualdades e da insuficiência de renda, que eu digo que é muito mais correto associar a insegurança alimentar ao não acesso, ao não mercado e a exclusão no sentido mais amplo, e menos a um processo inflacionário crônico. Embora [esse problema] também esteja associado a este processo inflacionário”, observa. Ainda de acordo com o economista, este problema não está vinculado apenas a pandemia da Covid-19.

Políticas públicas interrompidas

Embora a pandemia de Covid-19 e sua má gestão tenha evidenciado a desigualdade social e aumentado os níveis de insegurança alimentar e fome no país, os números têm crescido desde 2016, segundo Sandra Maria Chaves. De acordo com a pesquisadora, a partir de 2003 o Brasil conseguiu expandir políticas públicas de combate à fome e à insegurança alimentar, sendo uma das ações mais conhecidas a Estratégia Fome Zero, com o Programa Bolsa Família.

“Quando olhamos a trajetória, há um certo conforto em dizer que foi a pandemia, mas não”.

SANDRA MARIA CHAVES

Em 2004, o IBGE realizou a primeira pesquisa sobre insegurança alimentar. À época, 64,8% das famílias estavam em segurança alimentar. Esse número aumentou, em 2009, para quase 69,6%. Em 2013, chegou a 77,1%. A mudança drástica, segundo Sandra, veio em 2017 e 2018, quando a EBIA foi novamente aplicada com a pesquisa de orçamentos familiares do IBGE. “Houve o impeachment, reforma trabalhista no governo Temer, paralisia das políticas sociais, e um conjunto de desmontes. O Bolsa Família não foi extinto, mas foi feito o recadastramento. O impacto disso é rápido”.

Conforme menciona a pesquisadora, o Brasil sabe tirar a população da fome, e os dados entre 2004 e 2013 revelam essa estatística. Entretanto, ela revela que, hoje, após o desmonte de políticas públicas e a situação na qual o país se encontra, é preciso ter uma atenção redobrada. Segundo ela, um dos primeiros movimentos é ouvir novamente a sociedade civil. “Como cidadãos, nós temos que nos apropriar disso e demandar o cumprimento do que está na Constituição: o direito humano à alimentação. Não estamos pedindo nada além disso”, finaliza.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023