Tags:, , , ,

Quando vamos aprender que pedir ajuda é normal?

- 10/02/2017

Pedir ajuda é um ato de coragem. Infelizmente, muitas vezes isso pode ser visto como fracasso.

Michelle Oliveira | Foto: Freepik

Lembro de ter visto, na infância, meu irmão mais novo reclamar com todo mundo que tentasse amarrar o sapato dele. Ele faria isso sozinho. O problema é que houve uma época na qual ele ainda não sabia como fazer isso. Não faltava ensino, mas ainda era algo complexo.

Então ele insistia, levava tempo demais e alguém acabava amarrando para evitar atraso na escola. Ele saía emburrado. Alguns dias nessa insistência e ele aprendeu, finalmente, a amarrar o sapato.

Conquistar a independência é algo muito importante para nós. Então, desde cedo, as crianças querem fazer muitas coisas sozinhas. Amarrar o sapato, escovar os dentes, comer, tomar banho… Essa independência é fundamental para aprendermos a nos virar na vida, que nem sempre vai nos estender a mão.

O problema é quando acreditamos que PRECISAMOS fazer tudo sozinhos. Que pedir ajuda significa falhar. E falhar… bom, é o fim. Desse jeito, crescemos tentando fazer o máximo de coisas sozinhos e, quando não conseguimos, nos sentimos fracassados. Se isto evolui para a depressão, mais uma vez a pessoa se sente intimidada de pedir ajuda e o quadro só piora.

Percebo que essa sensação pode ser mais forte a depender da criação da pessoa, da posição que ela ocupa e de muitos outros fatores. Como a maternidade. As mães não podem errar nunca, não é mesmo? Pedir ajuda? Sinal de fraqueza. Você já viu sua mãe chorar? A primeira vez que vi a minha foi um choque. Minha mãe é uma mulher super forte, como é que pode chorar e precisar de ajuda se é ela quem sempre me abraça e consola? Hoje eu te entendo, mãe.

Mas, vez ou outra, todos nós passamos por algo assim. Quando mais nova, chorava apenas sozinha no meu quarto. Na frente dos outros? Jamais. Felizmente, amigos e um namoro duradouro me mostraram o quão melhor pode ser chorar no ombro de alguém. Eu não preciso segurar tudo sozinha. E não sou menos forte por isso.

Mas ainda tenho muito o que aprender. Quando entrevistava mulheres para a matéria sobre o “Eu aceito… Eu ofereço…”, todas repetiam como foi difícil pedir ajuda. Então percebi que ao entrar naquele mesmo grupo que elas falavam, eu também não pedi nada de imediato. Passei boa parte dos primeiros dias ou meses observando tudo, do mesmo jeito que fiz quando tinha 2 anos e vi meu irmão mais novo chegar da maternidade: distante e desconfiada.

Então alguém pediu ajuda e eu, por acaso, pude ajudar. Hesitei, mas fui. A sensação foi incrível. Mas levou mais um bocado de tempo para fazer um pedido e, ainda assim, não acho que venci a zona de conforto, como algumas mulheres corajosas que vejo escancararem a bagunça de casa e pedir ajuda. E o melhor: encontram pessoas que entendem que não há nada de errado nisso e que estão dispostas a ajudar. Vocês são incríveis, mulheres!

Quem sabe em 2017 eu aprendo.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023