Tags:, , ,

Sambistas reclamam de dificuldades na produção local

- 11/09/2013

Apesar da fama de abrigar grandes festas, músicos avaliam que Salvador tem perdido espaço no cenário musical

Cláudia Guimarães e Laís Rocha

Quem não conhece a fama da festividade de Salvador? Apesar de ser vista como o local onde muitas festas e eventos acontecem, o cenário da música soteropolitana não é tão promissor como parece do ponto de vista dos artistas. A falta de infraestrutura e segurança para se realizar festas, a exemplo do déficit no número de casas de shows e a ausência de um espaço para receber eventos de grande porte são alguns dos principais obstáculos apontados pelos sambistas para produção de eventos. Em vistoria feita no mês de julho pela Superintendência de Controle e Uso do Solo (Sucom), foi constatado que somente duas das 28 casas de show e boates da capital baiana estão regulares com itens de segurança.

O axé e o samba são dois dos gêneros que representam a Bahia fora do estado, como afirmado pela própria Empresa Baiana de Turismo (BahiaTursa) em site institucional. No entanto, a valorização do samba produzido no estado perde espaço na mídia, como criticam alguns dos ícones do samba baiano, como Nelson Rufino e Neto Balla. Até mesmo no estado onde surgiu, o gênero sofre com a ausência de incentivos.

Nelson Rufino durante show Foto: Assessoria Nelson Rufino

Para Nelson Rufino, compositor de grandes sucessos na voz de Zeca Pagodinho, o mercado de shows e incentivo à cultura da Bahia está definhando. “Para mim falta, além de tudo, reconhecimento. A gente fala muito de ‘prata da casa’, de valorizar o que é nosso, mas na hora do ‘vamos ver’ não somos nós que aparecemos nos outdoors e nem na grande mídia, a exemplo do carnaval”, critica.

Baixa estação – Com uma quantidade de casas de shows pequena em relação à produção musical da cidade, o que não faltam são exemplos de estabelecimentos que abrem durante o verão e fecham durante o resto do ano por não conseguirem se sustentar. Neto Balla, criador diversos movimentos de rua dentro do Centro Histórico, tenta mais uma empreitada para animar o Pelourinho em plena baixa estação. Ele está à frente do projeto Viola Vadia, que leva shows semanais nos meses de setembro a novembro aos largos do Pelô. “A gente tem que se virar, o que eu posso fazer? Não tem espaço para todo mundo. O Pelourinho é a minha casa, foi aqui que eu e muitos outros começamos, não é justo largar. É patrimônio, faz parte da nossa história. Eu acredito nisso tudo aqui, nessa força”.

Neto Balla durante show no Dia do Samba no Largo do Pelourinho Foto: Divulgação/Produção Neto Balla

Apesar dos investimentos empregados nos dois últimos anos pelo governo estadual, a insegurança, a falta de infraestrutura e de mobilidade ainda afastam a população do Pelourinho. De acordo com a diretora do Centro de Culturas Populares Identitárias (CCPI), Arany Santana, que gerencia os eventos realizados no local, a fama de decadência deve ser desfeita. “Nós programamos atividades para todo o ano. Depois das chuvas, o movimento vem crescendo paulatinamente, mas contamos muito com a divulgação das atividades culturais pelos próprios artistas, para que tragam seu público e desmistifiquem essa imagem de abandono e insegurança”, explica.

Segundo Davi Adan, produtor da banda Katulê, a falta de casas de show adeptas ao gênero também é agravante. “Aqui em Salvador eu só conheço o Botequim São Jorge e a Casa de Dinha. É muito pouco para toda a cidade. Não dá para todo mundo. A cada dia, surgem casas improvisadas nos bairros, como no Engenho Velho de Brotas e Uruguai, porque há uma demanda. Tem gente querendo festa, só não tem quem promova. Parece ser um problema crônico”, critica.

* Imagem destacada: Ascom Pelourinho

 

Leia mais

Pelourinho Cultural tenta mobilizar o Centro Histórico

Muito além do pagode e do axé, matéria realizada por Danilo Pestana e Vander Batista

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023