Tags:

Saúde mental e vida universitária: Seria a universidade um ambiente tóxico?

Danilo Rodrigues e Fernando Iuri Petitinga - 18/11/2019
Foto: Marcelo Camargo

Danilo Gois e Iuri Petitinga

O sonho de ingressar em uma universidade pública é algo que acompanha quase todos os estudantes de ensino médio no Brasil. Muitos destes alunos não imaginam que a pressão do período pré-vestibular não para após o ingresso em um curso superior e uma parte destes alunos não consegue corresponder a essas expectativas. Muitos destes alunos desenvolvem depressão, crise de ansiedade e outras formas de transtornos psíquicos ou comportamentais decorrentes da pressão de determinados cursos, geralmente os mais concorridos.

No dia 10 de novembro foi realizada a segunda fase do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e os quase 4 milhões de candidatos correram até ser dada a largada das provas. Essa pressão seguirá até uma nova fase: a vida universitária – não menos corrida e ainda muito mais competitiva. Um estudo de 2017 feito pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revela que 56% dos estudantes brasileiros desenvolvem estresse durante o curso superior. Outro dado é que ficamos em 2° lugar no ranking de países com casos de ansiedade por parte de indivíduos submetidos a provas ou avaliações.

Em um âmbito local, a Universidade Federal da Bahia também registra os seus casos de alunos com estes acometimentos de estresse. Para Gabriella, que cursa o 7° semestre de medicina veterinária, “a faculdade despertou muitos gatilhos na minha saúde mental. Comecei a ter crises de ansiedade e depressão nos primeiros semestres. Seguidos de cobrança, passei a consumir mais energético, café, remédios para alterar meu sono e minha qualidade de vida mudou muito.”

Gabriella não é a única a sentir os danos de uma cobrança excessiva por parte de um curso superior. Uma outra aluna que não quis se identificar conta que “a pressão existente no ambiente acadêmico não é nada saudável, tanto a pressão de muitos professores quanto dos próprios colegas que estão em semestres mais na frente e já pegaram as disciplinas”. Outra aluna do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde revela casos mais complexos ainda, como falta de ética no convívio acadêmico devido à concentração para cursos mais concorridos como medicina e farmácia, até surtos psicóticos com tentativa de lesão corporal por arma branca.

 

Segundo um estudo da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), 80% dos estudantes de graduação brasileiros tiveram problemas emocionais. A pesquisa foi feita entre 2014 e 2016 e avaliou também dados socioeconômicos desses estudantes. Das demandas mais recorrentes apontadas no estudo, seis fenômenos psíquicos são apontados, sendo a ansiedade com os maiores números de casos de manifestações.

Veja o gráfico com os transtornos mais recorrentes em estudantes de graduação:

Fonte: FioCruz

Prestando a atenção na condição psicológica dos seus alunos, a UFBA junto à PROAE (Pró-Reitoria de Assistência e Orientação Estudantil) desenvolve um trabalho denominado PSIU (Programa de Saúde Mental e Bem Estar da UFBA). Esse serviço psicológico é oferecido de forma voluntária e menos burocrática, e apenas depende da ordem de chegada ao ambulatório, que fica na rua Caetano Moura, na sede da PROAE.

Luis Felipe Monteiro é quem coordena o projeto criado em 2017 pela universidade, que visava reunir todos os serviços já oferecidos antes, porém de forma articulada e com o propósito específico de servir às demandas da saúde mental dos alunos. Luis diz que a lógica do atendimento do PSIU não serve apenas para uma situação de crise aguda, mas também foca em demandas latentes nas quais os estudantes vivenciam. O atendimento é feito por psicólogos que aderiram ao projeto.

O programa PSIU possui um atendimento sem burocratização e com uma abordagem de acolhimento, no qual, membros da comunidade acadêmica (docentes, discentes e funcionários) são atendidos sem a necessidade de marcar uma consulta devido ao contato mais humanizado sem necessidade. A instância não possui um aspecto organizacional que contabilize quantas pessoas são atendidas, ou quais casos são mais recorrentes no cotidiano da universidade.

A UFBA, através do SMURB (Serviço Médico Universitário Rubens Braga) e o núcleo de Apoio Psicopedagógico da Faculdade de Medicina da Bahia, promoveu uma mesa no Congresso da UFBA 2019, na qual foram discutidas estratégias para oferecer cuidados específicos à classe estudantil. Estes profissionais buscam perceber as mudanças no cotidiano estudantil principalmente motivadas pela precarização do funcionamento das instituições públicas como um todo, não excluindo-se as universidades.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023