Tags:, , ,

Seguro cooperativo é realmente seguro?

- 11/09/2013

Entenda como funciona o seguro veicular cooperativo, que tem planos com pagamento em até 12 vezes

Adriele Sousa

No Brasil, não existe legislação que proíba cooperativas e associações de comercializarem seguros, inclusive os de automóveis, desde que a instituição jurídica tenha autorização da Superintendência de Seguros Privados – Susep. A autarquia, vinculada ao Ministério da Fazenda, é responsável pela fiscalização e controle do setor de mercado de seguros em território nacional. Por isso, qualquer pessoa jurídica que deseje atuar no ramo deve estar cadastrada junto ao órgão.

Questionado judicialmente pelas seguradoras, o seguro cooperativo se caracteriza pela venda de proteção veicular, similarmente ao que fazem as seguradoras, com divisão dos custos dos sinistros entre os cooperados, entendida com uma ajuda mútua; e envio de relatório mensal de gastos com automóveis sinistrados aos integrantes da cooperativa. O maior número de parcelas é apontado como uma vantagem pelos usuários. Em uma cooperativa, os planos são pagos em até 12 vezes, já nas corretoras variam entre quatro e seis vezes. Ainda há outros fatores que servem de chamariz para os motoristas.

Dono de uma moto FAN KS 2009 e de um Ford KA 1.0, Leonardo Oliveira tem o seguro cooperativo há quatro anos, mas diz que nunca precisou porque nunca se envolveu em acidente. Ele nos conta que o seguro para sua moto é, em média, três vezes menor comparado ao das seguradoras; já o valor cobrado para carro é praticamente o mesmo. Quilometragem ilimitada e motorista não definido, benefícios oferecidos pelas cooperativas, também explicam a preferência dele. Informações confirmadas pelo designer Mário Cordeiro, que usou o serviço durante um ano e meio. Nas três vezes que precisou do seguro cooperativo, guincho e reboque, não teve problemas.

Conforme a Lei 5.764, de dezembro de 1971, que criou a política nacional de cooperativismo, as sociedades cooperativas não têm fins lucrativos. O que possibilitaria a venda de seguros a preços mais acessíveis. Porém, a relação jurídica nesse tipo de serviço não seria, necessariamente, de consumo. Quando um indivíduo integra uma cooperativa, em caso de envolvimento dela em atividades ilícitas, o cooperado é também responsabilizado pelos danos causados. “Na condição de cooperado, [a pessoa] não é consumidora, ela é parte da própria cooperativa. Tem muita gente fazendo parte da cooperativa achando que é consumidor, e não é”, alerta Joseane Suzart, promotora do direito do consumidor do estado da Bahia e professora da Faculdade de Direito da UFBA. Nessa perspectiva, contratar um seguro pirata ou fantasma, aquele vendido por uma instituição que não possui registro no órgão competente, gera um duplo prejuízo ao cidadão: não ter a proteção do seu patrimônio móvel e ser responsabilizado por danos a terceiros.

Já a especialista em direito da empresa e da economia, Fabiana Prates, tem compreensão distinta sobre o assunto. Para ela, o cooperado é um consumidor normal, porque a cooperativa está atuando no mercado como agente econômico, fornecedor de um serviço. É diferente de uma cooperativa de trabalho, por exemplo. “A pessoa que está ali não criou o serviço, não tem o menor poder de gestão. A relação é de consumo, ainda que, formalmente, esteja como cooperado”, defende a advogada.

É necessário esclarecer que algumas cooperativas utilizam o seguro coletivo, que é a contratação de uma seguradora para prestar o serviço a todos os cooperados. Essa prática é totalmente legal e comum, porém, às vezes, há cooperados que acreditam que é a cooperativa que está comercializando, explica a titular da 5ª Promotoria de Salvador, Joseane Suzart.

No site da Superintendência de Seguros Privados (Susep), é possível conferir quem está autorizado a comercializar seguro para veículos no Brasil. A Nacionalcar, da qual Leonardo Oliveira integra o quadro de associados, e a Proteção Brasil, que era responsável pelo seguro automotivo de Mário Cordeiro, não foram encontradas na lista da Susep pela equipe do ID 126.

Leia mais

Seguro de carro em Salvador tem elevação de até 30% ao ano

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023