Tags:

Tirem as crianças da sala

Gabriel G, Marina B, Nuno K, Leonardo S - 17/04/2019

Uma visita ao Tupy, um dos últimos cinemas pornôs de Salvador

A vasta sala escura que só pode ser desbravada com a ajuda de um lanterninha poderia existir em qualquer um dos antigos cinemas de rua de Salvador. No Cine Tupy esta ainda é a realidade. Diferente dos empreendimentos “convencionais”, onde é vendido pipoca e são exibidos blockbusters, a sala localizada na Baixa dos Sapateiros oferece cigarros e salgados para os espectadores dos filmes com sexo explícito. O cheiro criado pela mistura de mofo e esperma já faz parte do ambiente, e aqueles que lá estão já nem se importam mais. Afinal, é para isso que estão ali, no Cine Tupy, um dos últimos cinemas de rua que exibem filmes “adultos” em Salvador: sexo.

Administrado pela Orient Filmes, parte das corporações UCI, o Tupy se mantém aberto para aposentar os funcionários que trabalham no local. É o que diz um dos diretores da companhia, que preferiu não ter seu nome divulgado. “O Tupy não dá prejuízos, e, enquanto consegue se manter por conta própria, nós deixamos ele aberto. O menino da portaria precisa se aposentar, e os outros funcionários também, então a gente vai mantendo”, comentou.

Diferente do que acontece nas 27 outras salas comerciais gerenciadas pela Orient Filmes na Bahia, no Cine Tupy não há nenhuma menção à companhia, que é uma das 20 maiores empresas de exibição de películas no país, segundo levantamento da Filme B. Com um letreiro preto e branco, o estabelecimento exibe em letras garrafais a sua razão social: “filmes adultos”. As películas que estão em cartaz não são divulgadas, não só porque apenas dois filmes são exibidos durante o dia inteiro, de forma repetida, semanalmente, mas também porque o gênero das obras já é suficiente para atrair a atenção de quem passa.

As duzentas cadeiras disponíveis para o público nunca ficam 100% ocupadas. Em média, de acordo com o diretor da Orient, 50 a 80 pessoas visitam o cinema diariamente. A entrada custa R$11,00. Apesar de reduzido, o público é fiel. “Tem um cara que vai lá todos os dias, às 11h30, e fica até 17h. Ele leva o almoço e tudo”, comentou o diretor. Apenas este cliente gasta R$ 330 por mês com os ingressos para o Tupy. Com o valor, ele poderia comprar, por exemplo, 294 camisinhas Olla Sensitive.

A presença de mulheres no Tupy é muito rara. Enquanto apurava a matéria, uma repórter despertou surpresa no bilheteiro ao comprar ingressos. “Aqui é só pornô, você sabe, né?”, perguntou o homem. Em sua maioria, o público que frequenta o cinema é LGBT.

Dentro da sala, como é de se esperar, as cenas de sexo explícito são frequentes não só na telona. Mas quem não tiver interesse não precisa se preocupar. Ainda de acordo com o diretor da Orient Filmes, apesar de não haver alguém responsável por fiscalizar a sala, aquele que se sentir incomodado pode ligar para a ouvidoria e fazer denúncia. A punição é o banimento permanente do local. Uma travesti que trabalha lá parece confiar no sistema de fiscalização. “Aqui é muito tranquilo. Talvez alguém toque na moça, mas é só ela dizer que não está interessada que está tudo bem”, explicou, apontando para a repórter.

Jô, como é conhecida uma outra travesti que frequenta o Tupy a trabalho, conta que o movimento no cinema já foi maior. “Caiu, mas já teve muito [movimento]. Hoje, atendo cinco, seis por dia, se tiver bom mesmo”, diz. Ela é frequentadora do espaço há mais de dez anos. Às terças e quintas, passa a tarde prestando seus serviços no local. O pacote “com direito a tudo” é 20 reais. “Só boca é dez. Mas tem homem que dá mais”, explica.

Sem a internet e a facilidade de acesso à pornografia, a demanda pelas salas que exibiam películas para adultos era grande, o que fazia com que os longas tomassem a tela dos grandes cines da capital baiana. De acordo com o artigo “Cidade, cinema e práticas sexuais em Salvador: pistas para um urbanismo a contrapelo”, de João Soares Pena, as salas começaram a se especializar no gênero nos anos 70, quando cinco cinemas do tipo existiam na cidade, todos eles localizados no centro antigo. Dentre eles, apenas o Tupy sobreviveu ao tempo – o último a fechar as portas foi o Astor, extinto em 2013.

Frequentador do cinema no final dos anos 80, Maurício Tavares conta que o Tupy sempre foi procurado por quem queria pegação. “Quando eu cheguei em Salvador, há 30 anos, eu queria fazer sexo casual. Alguém me falou do Tupy e eu fui lá algumas vezes”, relembrou. “Não era muito cheio, mas também não era muita vazio. Não dava para ter uma ideia exata porque metade das pessoas não sentava nas cadeiras e ficava lá na parede da entrada”, completou. Com o tempo, o cinema foi entrando em decadência, mas a essência do Tupy parece ter sido mantida.

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023