Tags:, , , ,

Transporte para o outro mundo

- 13/12/2013

ID126 foi a campo conhecer de perto a rotina profissional de pessoas que trabalham em atividades geralmente pouco conhecidas que lidam diariamente com a morte.

Renata Pizane e Virgínia Vieira

 

A relação entre morte e infância é também o que mais sensibiliza o motorista Manoel Silva, 48, que há 18 anos dirige o veículo do Nina Rodrigues recolhendo os corpos de vítimas que falecem em hospitais, residências, vias públicas, entre outros.

“Uma vez eu chorei de madrugada após recolher o corpo de um jovem de 17 anos que foi assassinado. O irmão, que devia ter 12 anos, abraçava o corpo, chorava, gritava e dizia ‘meu irmão, meu irmão, a coisa que eu mais amo’. Eu fiquei olhando e pensando como é duro a perda. Quando eu notei, tinha uma lágrima descendo dos meus olhos”, conta.

Em um plantão de 24 horas, Manoel chega a recolher 25 cadáveres. Já houve dias em que, em menos de uma hora, recolheu seis corpos. “Tem dias que não conseguimos nem almoçar, porque nosso trabalho, às vezes, já começa com as pendências do plantão anterior e daí em diante vem outras comunicações da Centel”, explica.

A Centel (Central de Telecomunicações das Polícias Civil e Militar da Bahia) é o órgão responsável por todos os registros de ocorrências policiais no Estado. É deste órgão que parte a chamada que dá início ao trabalho de Manoel e dos peritos criminais do IML. “A partir desse momento, sabemos que em determinado local tem um óbito e que será feito o deslocamento de dois veículos, um com a equipe de peritos e o fotógrafo e o outro comigo e os auxiliares”, explica.  O recolhimento de corpos pode ser dentro de Salvador, na área metropolitana e, em alguns casos, em outros municípios.

Cabe a Manoel, antes da remoção, verificar se no corpo estão todos os pertences sinalizados na guia emitida pelo delegado local. “Eu tenho que verificar o histórico da guia que eu recebi. Tendo ou não perícia, tem que ser feito esse tipo de registro em relação aos pertences da vítima”. Isso porque, segundo ele, a família procura pelos pertences, principalmente se forem de valor. Após a remoção, o corpo deve ser levado para o IML. O trabalho exige cuidado e respeito aos familiares do falecido. Não são poucas as vezes que a emoção toma conta do seu dia a dia. “Eu olho não a morte, mas a história envolvendo aquele morto.”

Enquanto para muitas pessoas esse seria o último lugar para trabalhar, Manoel defende que é um trabalho como outro qualquer – e que suportá-lo é apenas uma “questão de adaptação”.  “Não é preciso ser um sujeito duro, frio, para executar esse serviço.”

Leia mais:

“Meu sonho é trabalhar no IML”

Entre cadáveres e caixões

EDIÇÃO 2022.2

A invisibilidade que nos cerca

De que perspectiva você enxerga o que está ao seu redor? A segunda edição de 2022 do Impressão Digital 126, produto laboratorial da disciplina Oficina de Jornalismo Digital (COM 126) da FACOM | UFBA, traz diferentes ângulos jornalísticos sobre o que nos marca enquanto sociedade, especialmente àquilo que fazemos questão de fingir que não existe. […]

Turma 2022.2 - 07/12/2022

De R$ 4,90 para R$ 5,20

Aumento da tarifa de ônibus em Salvador afeta rotina de estudantes universitários

Estudantes relatam dificuldades criadas pelo aumento do valor da passagem de ônibus em Salvador O aumento de trinta centavos no valor da passagem de ônibus em Salvador (R$4,90 para R$5,20), anunciado de maneira repentina pela Prefeitura, entrou em vigor no dia 13 de novembro. Tal medida vem prejudicando o cotidiano dos estudantes, especialmente aqueles que […]

Jessica Santana, Laura Rosa, Lucas Dias, Lucas Mat - 07/12/2023

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Bahia é terceiro estado com maior número de partos em menores de idade

Estado registrou 6.625 partos em mulheres de até 17 anos; especialistas apontam falta de acesso à educação sexual como um dos principais motivadores Defendida por parte da sociedade e rechaçada por outra parcela, a educação sexual nas escolas é um tema que costuma causar polêmica quando debatido. Ainda assim, seu caráter contraditório não anula o […]

Larissa A, Lila S., Luísa X., Patrick S - 07/12/2023

catadores da cooperativa Canore reunidos

Desenvolvimento sustentável

Racismo Ambiental em Salvador e Economia Circular

Entenda como esse modelo de produção une sustentabilidade, cooperativas de reciclagem e a luta contra as desigualdades sociais Em meio à crise das mudanças climáticas, a cidade de Salvador tem registrado temperaturas maiores do que a média histórica, chegando a sensações térmicas acima dos 34ºC. Para combater os efeitos do aquecimento global, organizações e iniciativas […]

Anna Luiza S., Jackson S., Luiza G. e Pedro B. - 06/12/2023

Na imagem, uma mulher de blusa verde segura uma cesta com plantas medicinais em frente a uma barraca laranja que tem outras plantas e bananas

Desenvolvimento Sustentável

Feira une produção e consumo sustentáveis na UFBA

Realizada às sextas-feiras, Feira Agroecológica da UFBA se torna elo de ligação entre pequenos produtores e consumidores em busca de alimentação saudável A Feira Agroecológica da Universidade Federal da Bahia – apelidada carinhosamente de “Feirinha” – é um projeto de extensão do componente curricular “BIOD08 – Comercializando a Produção Agroecológica”, ministrado no Instituto de Biologia […]

Celso Lopez;Daniel Farias;Jade Araújo;Melanye Leal - 06/12/2023